quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Notas de um caderno de viagem V


          


Mundaú

25/03/2000 - Sábado

6h Plínio passou por aqui e fomos nos encontrar com o grupo da Maria Martins, no Hospital de Messejana, para iniciarmos a excursão a Mundaú. Ônibus quase cheio. Jovens e adultos. Duas horas e meia de viagem. A 150km de Fortaleza. Estradas boas. Ficamos no Mundaú Dunas Hotel. Bom. Fizemos um passeio de catamarã pelo rio Mundaú. Duas horas. R$7.00 por pessoa.  De noite houve seresta no restaurante do Hotel. Boa comida. Peixe. A igrejinha foi restaurada com a ajuda de católicos alemães.

26/03/2000 - Domingo

De manhã andei a pé pela cidade fotografando casas bem primitivas: palha, taipa e tijolos aparentes. Parece que estamos ainda no século XVIII, não fora as parabólicas... Muitas, muitas crianças pelas ruas. 10.000 habitantes. 3000 rurais. Tudo muito precário. Praia suja de algas escuras. Mundaú pertence ao município de Trairí.

quinta-feira, 20 de junho de 2019



Notas de um caderno de viagem IV

19/07/1992 – Excursão a Baturité, Guaramiranga e Pacoti, com Plínio, Maria Felix e Maria Freire. Os pernoites foram no Hotel Escola (antiga residência de verão dos governadores). Comida excelente. Clima ideal. Muitas flores.
 Lá tem um pequeno teatro chamado Rachel de Queiroz, recém inaugurado sem a presença da homenageada. Pois não é que a velha senhora resolveu rebatiza-lo agora por ocasião do seu 82º aniversário. E lá fomos nós, também, abrilhantar a festa da grande família, que é grande mesmo, e de seus admiradores.
Em Guaramiranga está o ponto culminante do relevo estadual: Pico Alto, com 1.115m de altura. A cidade fica a uns 900m de altitude. Em Pacoti ficam os reservatórios de água que abastecem a cidade de Fortaleza. O tal vale das flores em Pacoti é um engodo.
                     

Mas Baturité, a 70km de Fortaleza, quente de dia, e agradável de noite, é uma cidade interessante. Tem uma casa/museu, Comendador Arruda (quase tudo na cidade é Arruda) curiosa e ligeiramente mórbida. Dava para escrever um conto de assombração. No alto da serra fica a antiga Escola Apostólica dos Jesuítas, agora casa de repouso. É toda de pedra e cal, lembrando um castelo medieval, sem ameias.
                       

Pousada dos Capuchinhos

A serra de Baturité fica entre os municípios de Baturité, Guaramiranga e Palmácia e foi declarada área de reserva ambiental, em 1990. A igreja é do século XVIII e o prédio de cultura fica na casa, onde foi declarada a Abolição da Escravatura em 1883. Baturité era a terra de nascimento de minha avó materna. Gostei.


segunda-feira, 20 de maio de 2019



Notas de um caderno de viagem III

 1/6 a 5/6/1984 – Viagem a Barbalha. Festa de Santo Antônio. Barbalha fica na região do Cariri. Parece, nesta época, uma cidade mineira, pela topografia e pelo clima.  Pela arquitetura, não. Dia 1° foi a abertura dos festejos de Santo Antônio. Quermesses, novenas, quadrilhas, paus-de-cebo, forró e muita comida típica.

O ponto culminante é o corte do pau da bandeira, que deve ser mais alto do que o do ano anterior e é trazido da mata até em frente da igreja pela população. Chega a ser emocionante. Músicas, fogos, alegria. O prefeito é muito jovem e o pároco muito aberto. A parte cantada da missa foi feita por cantadores da região.

O mais curioso, para mim, foi o grupo de penitentes. Ainda existente nessa região. Banda Cabaçal: pífaros e zabumbas. Aliás, o Cariri com suas três cidades: Juazeiro, Crato e Barbalha, quase gêmeas, mas tão distintas, merece uma temporada bem maior, com os olhos, os ouvidos, o olfato e o paladar bem apurados.

quarta-feira, 1 de maio de 2019



Notas de um caderno de viagem II
De 16 a 19/03/1979 – Viagem com Edna e Wilson a Juazeiro e Crato. De trem. Edna foi pagar uma promessa, de seu pai, já falecido. E que ela prometera pagar. A viagem dura a noite inteira. Nas paradas havia sempre vendedores de guloseimas, mas o que mais me chamou atenção foi o chá de canela, com seu sabor perfumado, dominando a madrugada, adensada por um nevoeiro quase frio. 
Juazeiro é uma cidade de romeiros, onde reverenciam Padre Cícero. Tudo na cidade faz lembrar-lhe: ruas, praças, becos e o grande número de pessoas que levam seu nome. Sua figura é reproduzida em barro, gesso, pedra e madeira. Batina preta, barba branca e o cajado na mão direita. Estampada em postais e santinhos. Sua história é contada e cantada em cordéis e violeiros. 
Visitamos o Cruzeiro no meio da praça; a igreja com seu túmulo; a casa dos milagres; o museu na casa onde morreu; o Horto. Subimos de táxi, mas fiz questão de descer a pé, para ver as capelas, erguidas na subida do morro, encimado por uma enorme estatua do Padre. Fotos. Ah, a postura e os instantes inusitados de seus adoradores. Alguns, algumas parecem talhados em madeira, com suas vestes monacais, marrons. A cidade de dia e de noite gira em torno dessa estranha devoção. Sons, rezas, cânticos, pregações... em todos os sotaques desses vários nordestes.










Crato é cidade mais antiga. E de vida aparentemente mais calma. Fachadas  neo-clássica. Fomos também visitar um balneário no alto de uma serra, Granjeiro (?). Aliás, a Chapada do Araripe oferece uma visão impressionante ao longo de uma planície verde/cana. Cana. A cana e seus produtos criam uma atmosfera particular, principalmente olfativa: o açúcar, o mel, a rapadura, o alfenim... doce.

sexta-feira, 19 de abril de 2019



Notas de um caderno de viagens 
                                

            Quixeramubim

     De 29 a 30/10/1978 – Viajando pelo interior do Estado do Ceará, com Evando. Paramos em Quixeramubim. Fiz Fotos. Inesquecível a igreja toda branca, no centro da praça ao sol do meio-dia. Há dentro dessa igreja um santo (tamanho natural) quase vivo ou estou tendo vertigens de luz e calor? Acho que não tenho diafragma para tanto esplendor.

                                                                *****
              Quixadá

   Em  Quixadá, pela primeira vez. O nome é um eco das crônicas de dona Rachel. Cidade rodeada de pedras. Quente. Vamos até o açude do Cedro, o lago imenso, guardado pela galinha choca, um dos símbolos da cidade. Construção majestosa. A muralha, as grades de ferro. A larga alameda. O caminho sombreado. Um oásis? Na volta, o almoço: carne-de-sol, com pirão de leite. Deliciosa. Nunca provei melhor.                       
        
                      
        

domingo, 17 de março de 2019


Carnaval Rio de Janeiro
Hoje, arrumando as estantes de livros, com a finalidade de conseguir mais espaço para os novos e dar baixa em alguns, que com certeza não  os lerei mais, encontrei este “Almanaque do Carnaval”, de André Diniz, e, com a proximidade da grande festa, comecei a ler aqui e acolá e acabei por constatar que testemunhei todas as fases da evolução do carnaval. E no Rio de Janeiro. Seu berço.
Quando cheguei nessa cidade, para morar, em 1948, (já havia visto o de 1945) ainda havia o “entrudo” sua forma original. A saída de blocos de sujo, os cordões, os ranchos, bailes, o corso na Avenida Rio Branco, depois na Getúlio Vargas, com arquibancadas de madeira, que fui alguns anos, até o Sambódromo, que nunca fui. Ah! o desfile do Cordão do Bafo da Onça e do Cacique de Ramos, na Avenida Rio Branco. De uma simples brincadeira de vizinhos e amigos é agora essa “opera aberta”, como a apelidaram, de fama internacional.
O carnaval passou de uma festa familiar a formação de grandes empresas que são as Escolas de Samba. Ocupam roteiristas (para bolar os enredos), compositores, marceneiros, pintores, aderecistas, costureiras/os, carregadores, cantores, músicos... o ano inteiro. Para a diversão de uma plateia inumerável de todas as nacionalidades e categorias sociais, os hotéis que o digam. Creio que, ainda assim, continua a ser festa mais democrática do mundo. Criando empregos e gerando dividendos para o país, não é a moleza que alguns rabugentos ainda o acusam de ser. Então, viva o Zé Pereira, que a ninguém faz mal.
Outra faceta do carnaval é que ele foi o veiculo criador de vários gêneros ou estilos musicais o samba, o samba enredo, a marcha-rancho, o frevo e as marchinhas, muitas delas tocadas até hoje em todas as manifestações de momo. Músicas compostas especialmente para essa festa contagiante. Creio que não foi composta para o carnaval, mas para os seus inimigos, podemos perfeitamente cantar estes versos da música de Caymmi, é só  fazer algumas adaptações:                    

 “Quem não gosta de “momo”
  Bom sujeito não é
  É ruim da cabeça
  Ou "de samba no pé".

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019


Visita Inesperada

Quando Cidamar chegou, de manhã, encontrou no corredor do apartamento um jovem gavião, a lhe olhar. Cidamar ofereceu-lhe o dedo e ele não se fez de rogado. Aceitou e entraram no apartamento, como se fossem velhos conhecidos. Fui-lhe apresentado. Ele me olhou e num leve arremesso pousou no encosto da poltrona e continuou a nos fitar. Seus olhos tinham uma tonalidade amarelada e me pareciam tristes. De que estaria fugindo: filho rebelde, ânsia de liberdade, penas de amor ou fome?
Nunca tinha visto um gavião de perto. Fui até o quarto, peguei a máquina fotográfica e fiz algumas fotos. Não se recusou. Posou. Abriu as asas, movimentou-se, exibiu a estampa de suas penas, como se fosse um modelo. Ele não crocitou uma vez, sequer. Como não tinha nada a oferecer-lhe, disse a Cidamar para colocá-lo na grade da janela para ele ir-se. Recusou. Não foi. Então Cidamar levou-o até o corredor e colocou-o no parapeito, aí, sim, ele bateu asas e voou.
Que bicho é esse? Intrigado, fui ao dicionário e ele me informou que se trata de uma ave de rapina diurna, da família dos Acipitrídios ou dos Falconídeos, que, em sua maioria, se alimentam de presas vivas ou de animais mortos. Olha só o perigo. É nome também de uma tribo indígena. E tem várias denominações. Contei, no Houaiss, cinquenta e três. Eis algumas: gavião azul, gavião caipira, gavião-do-mar, gavião-real, gavião rapina... é também, vejam só, indivíduo esperto, ladino, conquistador. Mereceu até um samba de Pixinguinha: Gavião Calçudo (1929):
“Quem tiver mulher bonita
Esconda do gavião
Ele tem unha comprida
Deixa os maridos na mão                     

Mas viva quem é solteiro
Não tem amor nem paixão
Mas vocês que são casados
Cuidado com o gavião”

Deixe aqui o seu nome e o seu comentário

Widget is loading comments...